O blog
Dizem que falar aos cotovelos é ruim. Dizem que expressar opinião é ótimo, em alguns casos. Unindo ambas as coisas essa pequena garota irá tentar defender as suas próprias opiniões rebeldes e muitas vezes sem causa, de coisas cotidianas, valhas ou às vezes inúteis; passando o tempo aqui, vendo as horas voarem e digitando descontroladoramente palavras aleatórias, porque isso sim é de sua estranha natureza.

Quem
Gabriela Andrade, uma senhorita com 23 anos vividos de misturas sentimentais, questões polêmicas, questionamentos insanos e utópicos sobre o mundo, englobados em torno de muitas confusões. Anseia por um futuro melhor, mas se saberá o que será do temido e exasperado amanhã?

Arquivo
06.09 / 07.09 / 08.09 / 09.09 / 10.09 / 11.09 / 12.09 / 01.10 / 02.10 / 03.10 / 04.10 / 08.10 / 09.10 / 10.10 / 11.10 / 12.10 / 01.11 / 02.11 / 03.11 / 04.11 / 05.11 / 07.11 / 08.11 / 09.11 / 01.12 / 02.12 / 03.12 / 04.12 / 07.12 / 09.12 / 03.13 / 07.13 / 11.13 / 01.14 / 01.15 / 02.15 / 03.15 / 07.15 / 01.17 /


Lágrimas de Sol
Comentários (15) // segunda-feira, 7 de setembro de 2009
Era manhã num deserto da alma, onde nada parecia possível e o acalentar do sol trazia inverno inundando a Antártica. Sem pensar, ela trouxe as mãos para a face e encobriu com elas o retrato triste de uma figura desesperançada. Pensava em si mesma e se envergonhava, pois nada poderia aparentemente mudar. Sentia saudades que a corroíam mais fortemente que a vontade de saciar a sede e aliviar a fome. Queria refrescar-se nas águas purificadoras, entretanto sabia que a fonte estava em seu coração, como sempre estivera. Faltava a paz advinda do seu Criador, escasseavam as lentes para poder enxergar que aquilo não passava de pequenas montanhas em sua vista. Esquecera, pois, que o seu Amigo fiel move colinas e separa oceanos para aqueles que lhe pedem com clamor e rogam por demasiada ternura.
O seu rosto inquietou-se e subitamente mudou de temperatura. Todos lhe perguntaram o que estava havendo e se alguma enfermidade a atingira, o problema estava no oásis interno dos seus rios extensos e não no revestimento concreto da sua aparência. Naquele instante observou a redenção adentrando a porta entreaberta do seu coração. Pensou muitas vezes, refletiu e por fim levou os seus joelhos fortemente ao chão, juntando fielmente as palmas das mãos. Primeiro os insultos invadiram a sua mente, raciocinou em desistir e já as suas pernas fraquejavam. Falou que era fraca demais e num mundo de monstros ferozes não conseguiria viver. Gritou para as suas veias que a destreza alheia inoxidara o cérebro e já não poderia tomar o antídoto contra tal veneno mortal. Pouco a pouco, após cada palavra e pensamento ruins que saíam de dentro daquela moça, um espírito consolador foi confortando-a e assim, chorando, ela orou:
Senhor, meu Deus de amor, por tantas aflições tenho passado que já sinto os meus olhos arderem ao ver a luz deste mundo cruel. Parece que as minhas vontades se perderam junto àqueles que me queriam o mal. A minha dor é de uma forma tão grande que ninguém consegue tocar no fundo das raízes dessas minhas feridas. Tu venceste neste lugar e por isso dá-nos a sublime paz, sabemos que aqui muitas agonias nos esperam e para isso buscamos as nossas renovações em Ti, porque temos a certeza de que nesta rocha de onisciência, jaza a promessa de nossas vidas. Entre tantos pedidos, eu lhe peço apenas mais um neste dia que nos acolhe, seja Tu o nosso reflexo e a sua voz a nossa pronúncia. Seria impiedosa demais se não agradecesse pelo ar que estou exalando, pela família grandiosa que me deste, pelo teto sob as nossas cabeças e o alimento que preparaste durante todos os incontáveis segundos resididos. Só que em algumas vezes esse sangue humano não aguenta as tribulações que o corpo padece, é necessário então, tomar o remédio potente, ouvir a sua voz no coração. Trará assim, a calmaria completa e a total alegria. Preciso de Ti, tanto que nem ao menos consigo explicar. Ouves o meu íntimo e me conheces melhor do que ninguém, por favor, refugie estas lágrimas a cair para longe de mim. A sociedade escolheu viver sozinha e por querer tomar as próprias atitudes, sem antes consultar Àquele que a acolhe em braços de incondicional afeto. Só que eu, aquela de que conheces o nome e o sobrenome, rogo-lhe apenas para invadir como águas em represas ausentes de muros, as terras secas da matéria que sou. Imploro para que sejas o meu Universo e a minha sombra. Exoro para que não permitas que de Ti eu esqueça e neste lugar, mais eu pereça.
Por breves momentos parou. Próximo a ela, encontrava-se uma bíblia. Decidiu abri-la e ler a primeira coisa que lhe viesse aos olhos. Elevou os braços ao alto e disse para que Deus fosse às suas mãos e lhe dirigisse o arredar da leitura que traduzisse o seu coração. Hesitou e logo iniciou:
Ensina-me a tua lei
Estou derrotado e caído no chão; de acordo com a tua promessa, dá-me novas forças.
Contei tudo o que tenho feito, e tu me respondeste; ensina-me os teus mandamentos.
Ajuda-me a compreender as tuas leis, e eu meditarei nos teus maravilhosos ensinamentos.
É tanta a minha tristeza, que estou me acabando; dá-me forças, como prometeste.
Não me deixes seguir o caminho errado; com a tua bondade, ensina-me a tua lei.
Eu escolhi o caminho da fidelidade e tenho dado atenção às tuas ordens.
Ó Senhor Deus, tenho seguido os teus ensinamentos; não me deixes passar pela vergonha do fracasso.
Eu me apresso em obedecer aos teus mandamentos porque assim me darias mais entendimento.”

Ainda jorravam gotas d’águas de sua íris, todavia agora sabia o porquê. Se dentre milhões de pessoas sentir-te só, saibas que nunca estará; há Alguém guardado e escandalizado dentro de nós neste exato minuto e em todos os que terão a sua jornada. Este grita e bate em sua porta, para penetrar na sua vida. Se abrires saberá do que aquela criatura presenciou. Ela conhecia agora isso descrito, e por isso o choro foi sinônimo de alegria e o tremer do corpo, sinal de amor e devoção. Jamais se sentiu incapaz novamente e durante a cada passo dado, somente fazia um pedido: E que o meu andar, seja o teu querer. Amém.


Entrelinhas: trecho bíblico - livro dos Salmos 119.25-32.
Outras linhas: o meu tempo anda quase inexistente e se você chegou até aqui, peço-lhe desculpas por não responder aos comentários. Amanhã o blog completa 4 meses e isso é algo impressionante, apesar dos quase abandonos.

Fonte da foto: aqui.

Marcadores: , ,