O blog
Dizem que falar aos cotovelos é ruim. Dizem que expressar opinião é ótimo, em alguns casos. Unindo ambas as coisas essa pequena garota irá tentar defender as suas próprias opiniões rebeldes e muitas vezes sem causa, de coisas cotidianas, valhas ou às vezes inúteis; passando o tempo aqui, vendo as horas voarem e digitando descontroladoramente palavras aleatórias, porque isso sim é de sua estranha natureza.

Quem
Gabriela Andrade, uma senhorita com 23 anos vividos de misturas sentimentais, questões polêmicas, questionamentos insanos e utópicos sobre o mundo, englobados em torno de muitas confusões. Anseia por um futuro melhor, mas se saberá o que será do temido e exasperado amanhã?

Arquivo
06.09 / 07.09 / 08.09 / 09.09 / 10.09 / 11.09 / 12.09 / 01.10 / 02.10 / 03.10 / 04.10 / 08.10 / 09.10 / 10.10 / 11.10 / 12.10 / 01.11 / 02.11 / 03.11 / 04.11 / 05.11 / 07.11 / 08.11 / 09.11 / 01.12 / 02.12 / 03.12 / 04.12 / 07.12 / 09.12 / 03.13 / 07.13 / 11.13 / 01.14 / 01.15 / 02.15 / 03.15 / 07.15 / 01.17 /


Querido John,
Comentários (4) // segunda-feira, 30 de agosto de 2010
Sei que o tempo tornou-se inimigo inevitável para nós. Inimigo este que tentou pôr fim e tirar-nos a voz que aos corações preenchia. Sentir a tua falta já faz parte da minha dolorosa rotina, é como o acordar ou o levantar, mas ambos se assemelham mais às estrelas que vagam pelo céu iluminado: sozinhas nessa imensa escuridão, alimentando-se de esperanças. Escuridão é ficar longe de ti, principalmente quando sei que uma guerra te espera. Disse-te que o meu amor por ti era grande, só que já as certezas me abalam; pois o medo que me assola cresce e aumenta a cada lua-cheia, a esperança de ver-te se afasta e lágrimas invadem a minha face quando penso no que estou a fazer...
E serás amado por todos os dias, mesmo que essa efêmera vida tire-me da sua. Carrego uma luz que te envio, e remeto-te com tanto amor que não sei como cabe em mim. Tenho ciência de que estes olhos - que me sustentam e que são o combustível da minha vida, brevemente aparecer-me-ão outra vez e guardados serão nas minhas memórias. Sei que o amor não deve ser visto como o retrato que se apagou ou a chama que o vento murchou. O amor, sempre estará no presente, que escorre por minhas mãos e que passa mais rápido do que os meus pensamentos. Todavia este amor, este mesmo amor que começou num dia quente de verão com fé embalada e fácil riso, guardado sob sete chaves e aquecido com todo o calor que me alenta durante a gelidez; vivo manter-se-á no passado, pelo menos por agora.
Amo-te sem anseios, mas com todas as minhas forças. Amo-te estrondosamente e quietamente. Amo-te não podendo amar-te. Amo-te na luz e devo amar-te nas sombras. Amo-te, como poetizou Pablo Neruda, num modo em que não sou e nem és. Amo-te tão brevemente que me é recôndito a luz do olhar, do seu olhar que me cobre de fé e me faz viver. Amo-te não pertencendo a mim e esquecendo o que é existir. Amo simplesmente, amar você, amar você.
Perdoe-me, John. Tentarei enganar este meu coração que a tanto te pertence, dizendo que um término se pinta em nós. Peço para que contenha o pranto. Preciso viver e esquecer o que se fora, pelo menos por enquanto. Não, não te abandonarei. Apenas por estes meses que se fazem tão longos e infinitos diante a tua espera. As minhas certezas ainda estão em ti, não duvide. Se elas se ruíram por instantes, construirei muralhas para guardá-las e mantê-las seguras. Sei que posso cometer o maior dos meus erros, mas hoje este parece ser o meu certo.
Se aguentarei viver assim? Pelo nosso amor, sim. Sei que você também. As nossas cartas nos machucam e fazem reavivar fatos longínquos, passados das manhãs bonitas. Não quero reavivá-las e passar noites tristes chorando. Não anseio também as tuas lágrimas; concentre-se nestes campos que minam os nossos corações, que aniquilam verdades, contudo que te farão sobreviver. Confio no vento para dissipar as minhas vontades, os meus desejos, a minha fé, o meu alento, o meu sorriso, as nossas vidas...
Estarei esperando-te na manhã mais bonita, com todas as cores da aquarela em meus olhos. Sei que em breve nos reencontraremos e então, espero que nunca mais a distância irrompa os nossos traçados. Você é os meus sonhos de adolescência, o pedido que fiz à fada-madrinha, a minha constelação maior, o meu completar, a minha razão. Desculpe-me, amor.
Eu ainda amo nós.
Eu amo você, John.
Com carinho, a garota das roupas roxas.

Entrelinhas: o texto fora composto por fragmentos já existentes de partes melosas que falavam de amor (um platônico, em especial) e sobre outros fragmentos à respeito do meu John, que foi retirado do livro "Querido John." (:

Marcadores: , ,