O blog
Dizem que falar aos cotovelos é ruim. Dizem que expressar opinião é ótimo, em alguns casos. Unindo ambas as coisas essa pequena garota irá tentar defender as suas próprias opiniões rebeldes e muitas vezes sem causa, de coisas cotidianas, valhas ou às vezes inúteis; passando o tempo aqui, vendo as horas voarem e digitando descontroladoramente palavras aleatórias, porque isso sim é de sua estranha natureza.

Quem
Gabriela Andrade, uma senhorita com 23 anos vividos de misturas sentimentais, questões polêmicas, questionamentos insanos e utópicos sobre o mundo, englobados em torno de muitas confusões. Anseia por um futuro melhor, mas se saberá o que será do temido e exasperado amanhã?

Arquivo
06.09 / 07.09 / 08.09 / 09.09 / 10.09 / 11.09 / 12.09 / 01.10 / 02.10 / 03.10 / 04.10 / 08.10 / 09.10 / 10.10 / 11.10 / 12.10 / 01.11 / 02.11 / 03.11 / 04.11 / 05.11 / 07.11 / 08.11 / 09.11 / 01.12 / 02.12 / 03.12 / 04.12 / 07.12 / 09.12 / 03.13 / 07.13 / 11.13 / 01.14 / 01.15 / 02.15 / 03.15 / 07.15 / 01.17 /


Revolta
Comentários (7) // sexta-feira, 30 de setembro de 2011
Eu nasci na época errada e a cada dia mais me convenço disso. Intensidade essa gerada pelas rádios que reproduzem MC Fulano como música, pelas milhares de pessoas que pedem no twitter Justin Bieber como presidente, por aqueles que elegem candidatos conforme o quão engraçada é a sua propaganda, pelos que descobriram Caio Fernando Abreu ontem, que o idolatram hoje e que acreditam que ele ainda está vivo.
Eu nasci na época errada, na mais retrógrada e cega de todas. Na que crê que seguir perfis filosóficos é ter filosofia, na expandida pela tecnologia e limitada em valores. E, ainda, naquela em que colocam frases “cultas” de outrem como se fossem de autoria própria – porque o importante é aparentar. Aparentar que as ideias são suas, aparentar valores rasos, aparentar repúdio às impunidades - repúdio que se finda em xingamentos nas redes sociais -, aparentar engajamento, aparentar tanto que etiquetas se tornam intrínsecas ao existir.
Eu nasci na época errada, na que faz passeatas pela liberalização da maconha num país que nem ao menos suporta tal fato, na que não lê textos com mais de 20 linhas sem reclamar, na que reivindica só em caps lock e não em ações, na que banaliza palavrões, na que desconhece os termos romantismo-gentileza-educação, na que a intolerância e o ego são a razão e na que não diferencia os termos básicos da ortografia.
Eu nasci na época errada, naquela que não tem os tão inspiradores nomes, na que o país se estagna para assistir finais de novelas totalmente previsíveis e na que vai criticar em demasia esse texto. Eu nasci na época errada e sinto saudades daquelas que eu não vivi, mas que vivem em mim.

Marcadores: , ,